sábado, 5 de maio de 2018

O amor morre!?

É um princípio imutável. Tudo morre. Tudo decai. E o amor também.
E como todas as outras coisas existentes, o amor morre sem data. Um dia acaba.
Também há quem mate o amor. Normalmente quem mais fala dele. Acho que é uma espécie de escape, de fuga, na incapacidade de valorizar o amor.
E o pior que acontece é que o amor, na sua multiplicidade, não morre ao mesmo tempo.
Morre para uns, não morre para  outros.
E para aqueles para quem não morre torna-se uma morte em vida.
Abençoados os que nunca amaram. Apenas lhes desejo que nunca caiam nessa armadilha.
Por outro lado, viver sem conhecer o deslumbramento do amor, também não é viver.
Tudo morre. O amor também.
Porque raio insisto na sua eternidade?

Sem comentários: